Graça recebida por Valentino Nicolás Sánchez Barrio

 Cidade Autônoma de Buenos Aires, 16 de janeiro de 2021.

Valentino nasceu em 30 de agosto de 2020.

Depois de uma gravidez completa e sem complicações, no domingo, 30 de agosto, recebi a notícia de que minha filha, Roxana, havia sido hospitalizada às 13h30min daquele dia, e que entraria em trabalho de parto. Sabíamos que tudo estava indo bem. Eles induziram o trabalho de parto porque ela não tinha contrações. Eles tentaram por oito horas sem sucesso. Esta situação levou a uma cesárea de emergência. Valentino nasceu às 21:31 desse dia.

Às 23h00 recebi uma ligação de seu pai, Nicolás, que me disse quase em lágrimas que o bebê havia nascido sem oxigênio e que ele estava em muito mau estado. Ele só tinha 6 horas de vida. Eles lhe haviam dito que se ele conseguisse passar por aquelas terríveis 6 horas, lhe dariam terapia de hipotermia. Então eles teriam que esperar 72 horas para avaliar se o bebê poderia tê-lo aguentado.

Nesse exato momento começaram as correntes de oração por Valentino e também por seus pais que, no meio da pandemia, estavam sozinhos na clínica, incapazes de receber o abraço de ninguém.

Tenho a sorte de ter meu primo Leon, que desde a “hora 0” rezava pela vida de Valentino. Ricardo, Alejandro, Juan Carlos e Fernando sempre me disseram para não parar de rezar ao Irmão Gabriel Taborin. A oração da Novena por sua intercessão, todos os meses, unia a todos: família, amigos, amigos de amigos, vizinhos, na mesma intenção: a vida e a saúde de Valentino. Todos nos reunimos apaixonados às 22h, tornando mais forte o poder da oração – que nunca paramos – não apenas para rezar por sua saúde, mas também para agradecer por suas realizações.

Valentino conseguiu passar as primeiras 6 horas mencionadas acima. Então, ele foi capaz de passar por essas outras terríveis 72 horas, durante as quais sua temperatura corporal foi lentamente restaurada para não danificar seu pequeno coração.

Completamente cheio de fios, com muitos dispositivos ao seu redor e muitos medicamentos, cada dia era um pequeno passo à frente. Mas um daqueles dias, minha filha começou a não ter cheiro e nem gosto: ela testara positiva para covid-19. Esse fato significou que durante 14 dias seus pais não puderam estar com Valentino, devido ao isolamento preventivo. Não foi fácil para eles não estar com seu bebê. Também não foi fácil para o resto da família não poder estar com eles.

Valentino teve grandes problemas com a sua sucção. Tudo nos fez pensar que ele teria que ser equipado com um botão gástrico para toda a vida. Passaram-se dias e seus pais puderam reencontrar Valentino. Sua mãe não desistiu, e continuou a esperar que seu filho pequeno pudesse um dia começar a chupar e engolir. E, depois de muitos dias, ele o fez!

Após 40 dias de hospitalização, ele teve alta e hoje está em casa com seus pais e seu irmãozinho. Não foi fácil e não vai ser fácil. Ainda há um longo caminho pela frente. A falta de oxigênio ao nascer fez com que seu sistema nervoso fosse muito afetado em suas funções motoras. Ainda não sabemos se ele será capaz de falar ou andar.

É por isso que nos confiamos a Deus, à Virgem Maria e a todos os Santos e, de maneira especial, à intercessão do Venerável Gabriel Taborin, para que ele possa continuar a ajudar e manter a força deste nosso grande lutador.

Esta é uma breve história de Valentino. Sua história é praticamente a história de suas dificuldades de saúde. Foi escrito por um dos seres que mais o amam nesta terra: sua “Abu” (avó),

Silvia Monica D’Alto.