Roma, 1 de novembro 2017.

 

Estimados Irmãos, membros das Fraternidades Nazarenas, Aspirantes a Irmãos, Comunidades Educativas, Comunidades cristãs, Catequistas e amigos da Família Sa-Fa:

 

Na proximidade da festa do Venerável Irmão Gabriel, eu vos envio esta breve reflexão com o objetivo de que nos ajude a recordar nossa tradição e a aprofundar o fortalecimento de nosso carisma. Nesta ocasião retomo a conhecida frase do Fundador formar bons cidadãos para a sociedade e santos para o céu”. Um ideal educativo e pastoral que todos nós membros da Família Sa-Fa podemos ter presente na hora de levar a efeito a missão do Instituto em nossos lugares de presença.

Certamente o ideal educativo, no contexto atual, difere bastante de como o Irmão Gabriel o entendia em sua época. Com o desejo de oferecer um bom serviço à infância e à juventude, através da educação, nosso Fundador intuiu a importância de harmonizar os valores humanos e cristãos de acordo com a visão religiosa da vida onde a cultura não pode prescindir do Evangelho.

A precária situação da sociedade francesa nos aspectos educativos e evangelizadores levou o Venerável Irmão Gabriel a olhar as necessidades da juventude de sua época de modo compassivo e comprometido. Prolongar esse olhar e contribuir à nobre missão de “formar bons cidadãos para a sociedade e santos para o céu” é a tarefa que nos cabe no contexto cultural de nosso mundo. Hoje, como ontem, a expressão do Irmão Gabriel vem a ser o enunciado conciso de um planejamento educativo que, sem perder nada da tradição, deve ter seu lugar criativo na época atual. O conteúdo deste princípio pedagógico nos convida a atender educativamente a todas as dimensões da personalidade de nossos educandos e a comprometer-nos com o progresso contínuo da sociedade.

Ainda hoje nós nos seguimos questionando de como fazer para que nossa escola seja promotora e formadora de cidadãos responsáveis e de cristãos comprometidos, questão que nosso Projeto Educativo quer harmoniza ao assinalar que, “na atividade cotidiana da educação, tanto nos centros educativos como nos espaços não formais, a atividade educadora do Instituto pretende responder à dupla tarefa de humanização e evangelização”. Impõe-se, por conseguinte, um esforço comum para que se coloque de relevo a finalidade humanista, científica, cristã e ética do trabalho de nossa escola mediante programas e meios adequados.

Temos de reconhecer que na tarefa educativa atual demanda esforço manter vivo esse ideal por causa de uma cultura marcada pelo pluralismo das ideias e dos comportamentos, pela caducidade e rápida substituição dos conhecimentos, pela generalizada socialização do pensamento único, pelo papel dominante dos meios de comunicação social, pela influência das redes de comunicação, pelos novos modelos de agrupação familiar, pelo controle do ciberespaço e pelo relativismo ideológico.

A reedição de nosso Projeto Educativo Sa-Fa em 2011, enriquecido com as novas sensibilidades da antropologia, da pedagogia e da teologia atuais, me permite recordar, para a celebração da Festa deste ano, algumas convicções a manter e para recriar o ideal educativo do Irmão Gabriel nas duas partes de seu enunciado. Assim, pois, “formar bons cidadãos” está relacionado:

– Com os conteúdos da dignidade da pessoa no referente à liberdade e responsabilidade; com o compromisso de assumir o próprio projeto de vida; com a capacidade de optar e assumir os deveres pessoais; com a valorização do trabalho; com a superação pessoal mediante o esforço e com o assumir das decisões tomadas.

– Com os conteúdos das responsabilidades sociais; com a capacidade para dialogar e trabalhar com os demais num clima de respeito, de solidariedade e de tolerância; com a vontade de integrar-se na comunidade (local, nacional, internacional) e o desejo de melhorá-la; com a inserção na cultura local e a abertura à pluriculturalidade do mundo.

– Com o respeito e o cuidado da natureza como casa comum; com a conexão entre o homem e a mudança climática; com o cuidado da biodiversidade, com a gestão responsável dos recursos; com a educação ambiental e com a defesa da natureza e da vida.

De igual maneira o ideal de “santos para o céu” está relacionado:

– Com a proposta de uma visão cristã da vida que brota dos ensinamentos de Jesus e de reconhecer Deus como Pai; com favorecer a abertura à transcendência; com a ajuda para encontrar no Evangelho as respostas às aspirações mais profundas de sua vida e do mundo e com a celebração e o testemunho da fé como meios de favorecer a relação pessoal e grupal com Deus nos diversos âmbitos da vida.

– Com o convite a conhecer, valorizar e assumir os valores do Evangelho (a fraternidade, a paz, a justiça, a libertação integral do homem, a verdade e a misericórdia) cuja plenitude se encontra em Cristo; com a prática de processos de maturação na fé e educação da interioridade; com descobrir a própria vocação cristã e com o assumir compromissos concretos a partir da fé como cidadãos e crentes.

 – Com o ensinamento e formação religiosa da fé e da moral com rigor acadêmico, favorecendo o conhecimento e a experiência; com a proposta de promover a síntese entre fé, cultura e vida através do ensino religioso, da catequese e dos grupos de animação, de reflexão e de compromisso.

Na formação dos jovens, membros de Comunidades, Fraternidades, grupos de animação e solidariedade precisam ser dedicados os melhores esforços junto com as valiosas metodologias apropriadas a cada contexto. Seria errôneo considerar qualquer destes âmbitos para fins ideológicos.

Por ocasião da celebração da Festa deste ano, convido a todos os membros da Família Sa-Fa a contribuir criativamente com novos subsídios ao ideal tão querido para o Venerável Irmão Gabriel de “formar bons cidadãos para a sociedade e santos para o céu”. Feliz celebração!

 

Ir. Juan Andrés Martos Moro, SG